Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/ieab/www/dab/wp-includes/cache.php on line 36

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/ieab/www/dab/wp-includes/query.php on line 21

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/ieab/www/dab/wp-includes/theme.php on line 540
Consulta Propõe Ampla Acolhida as Pessoas Vivendo e Convivendo com HIV/AIDS | Diocese Anglicana de Brasília

Uma atitude pessoal e pastoral de ampla acolhida as pessoas que vivem e convivem com HIV/AIDS e com outras doenças foi proposta aos cristãos e, particularmente, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB), em São Paulo, de 2 a 6 de novembro, pelos participantes da Consulta sobre esse tema, promovida pela IEAB, através do Serviço Anglicano de Diaconia e Desenvolvimento (SADD) com o apoio da Christian Aid. Essa tarefa inclusiva foi apontada como sendo o maior desafio para os cristãos e para as Igrejas no século XXI ainda marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas e por uma cultura do preconceito, que atinge todas as áreas da coexistência humana.

O Escritório da Secretaria Geral convidou instâncias representativas da IEAB: Bispos Diocesanos, Conselho Executivo, Comissão Nacional de Direitos Humanos, Comissão Nacional de Combate ao Racismo, União das Mulheres Anglicanas do Brasil (UMEAB), União da Juventude Anglicana do Brasil (UJAB) e Contatos Diocesanos do SADD.

A Consulta ocorreu na Casa La Salle, em Vila Guilhermina, Zona Leste de São Paulo, e contou com os seguintes temas e palestrantes:

Panorama Sobre Direitos Humanos: Dr Pedro Montenegro- anglicano, advogado e especialista em Direitos Humanos

Sistema Único de Saúde (SUS): Sr Cláudio Monteiro- católico romano, sociólogo, assessor sociocultural da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e Mestre em Infectologia e Saúde Pública.

HIV/AIDS e Mulher: Sra. Ester Lisboa- anglicana, assistente social e Coordenadora Programa Saúde e Direitos de KOINONIA Presença Ecumenica e Serviço

Violencia contra Criança e o Adolescente: Sra. Ilcélia Soares- anglicana, psicóloga, Mestre em Psicologia, Ativista em HIV/AIDS e especialista em Violencia  Doméstica.

Para cada palestra proferida foi contemplado um espaço para o compartilhamento de uma ação concreta da IEAB:

Movimento Sem Terra no Paraná e a Pastoral: Reverendo Luiz Carlos Gabas da Diocese Anglicana de Curitiba

Pastoral da Saúde: Reverenda Dilce Regina da Diocese Anglicana de Pelotas

Casa A+ sobre HIV/AIDS: Sr.Aroldo Carlos da Diocese Anglicana de Brasília

Casa de Apoio Noeli dos Santos para Mulheres Vítimas de Violencia: Reverendo Hugo Sanchez do Distrito Missionário Anglicano.

Na abertura da Consulta, o Secretário Geral, Reverendo Arthur Cavalcante fez a saudação a todos e em especial, agradeceu a presença da Sra. Ana Rocha, Programme Officer da Christian Aid Brasil e destacou a importância da articulação da IEAB com a agencia ecumênica europeia.

No dia 05 de novembro, após a série de palestras e de intensos debates,  os representantes das Áreas Provinciais foram convidados para elaborarem em conjunto um projeto o qual terá apoio financeiro do SADD. Ficando assim distribuído:

Projeto Área 1 (Diocese Pelotas, Diocese Meridional e Diocese Sul Ocidental)- Formação na Área de Direitos Humanos, Políticas Públicas e Violencia Doméstica

Projeto Área 2 (Diocese Curitiba, Diocese São Paulo e Diocese Rio de Janeiro)- Capacitação de lideranças para desenvolver trabalhos em Direitos Humanos

Projeto Área 3 (Diocese Amazônia, Diocese Recife, Diocese Brasília e Distrito Missionário)- elaboração de um caderno sobre Direitos Humanos.

A Consulta Nacional foi encerrada no dia 06 com uma celebração dominical e um almoço comunitário na Paróquia da Santíssima Trindade, no centro de São Paulo,  onde atualmente funciona o Escritório da Secretaria Geral da IEAB.

DEPOIMENTOS DE QUEM ESTEVE NA CONSULTA NACIONAL

Na opinião do Bispo Primaz de IEAB, Dom Mauricio Andrade, a Consulta Anglicana sobre Saúde e Direitos Humanos realizada em São Paulo:

“[…] alcançou seus objetivos traçados pela coordenação, pois  os três temas, Direitos Humanos, Saúde e Violência acompanhado pelas ações concretas da Igreja partilhada entre nós mostra que estamos aprofundando a expressão do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, na área de direitos humanos, ouvimos a  partilha da experiência da Pastoral Anglicana da Terra que está sendo desenvolvida no Oeste do Paraná, a experiência  da Pastoral da Saúde, em Pelotas – RS, a CASA A+ que acolhe pessoas vivendo com HIV/AIDS, em Palmas e , a Casa de Passagem que acolhe mulheres em situação de violência doméstica em Ariquemes – RO. Minha avaliação é que os resultados desta consulta deverão repercutir em nossas ações pastorais e de serviço.

Neste caminho é preciso reforçar que os Direitos Humanos precisa ser uma referência de prática e ação concreta em nosso planejamento pastoral e missionário, ou seja, não pode ser um tema transversal, precisa sim ser um tema estratégico e profético na vida da Igreja. Penso que precisamos aprofundar alguns temas aqui refletidos como violência doméstica e  AIDS, temas importantes na construção de direitos. Finalmente digo que precisaremos levar esses temas para nossas comunidades e multiplicar esses temas como desafios de nossa missão. Esta consulta de Saúde e direitos precisa ser compreendida como um ponto de partida para o aprofundamento dos temas de Direitos Humanos na vida da Igreja”.

A referência central das palestras e dos debates foi o tema dos Direitos Humanos, compreendido como “um caminho para reforçar a intimidade do ser humano com Deus, seu Criador”, como afirma Dom Francisco Assis da Silva, bispo da Diocese Sul-Ocidental. Em sua opinião, os direitos humanos constituem “uma importante codificação ética, jurídica e política a ser concretizada urgentemente na luta contra as injustiças e todo tipo de opressão e violência”.

A consulta não somente provocou o debate e a reflexão sobre direitos humanos, mas principalmente desafiou a todos a assumirem o compromisso com ações concretas na defesa e promoção destes direitos.  É muito importante – disse – que possamos partilhar nas diversas comunidades da IEAB toda a reflexão e o compromisso que aqui assumimos. São ações aparentemente simples, mas que se todos nós fizermos e motivarmos outros a fazer juntos, estaremos realizando um belo trabalho, proclamando o amor de Deus. Por sua vez, o Secretário Geral da IEAB Reverendo Arthur Cavalcante, disse que os resultados positivos da Consulta representaram o aprofundamento do compromisso da Igreja com os Direitos Humanos, em favor da vida e contra todo tipo de violência. Acrescentou que a Consulta foi coerente com as propostas da última Confelíder e Sínodo Geral da IEAB, realizado em Embu Guaçu – SP, em junho de 2010.

Para a Srª Selma Rosa, Presidente da Câmara de Clérigos e Leigos, a consulta desafiou a todas as pessoas acerca do protagonismo de cada um em defesa da vida. Trouxe conhecimento, informações e consciência sobre a realidade e a situação na qual o povo brasileiro esta inserido e desafiou-nos, enquanto igreja, a ação como cidadãos e ao trabalho como povo anglicano e povo de Deus.

Já a Srª Sandra Andrade, Coordenadora do SADD (Serviço Anglicano de Diaconia e Desenvolvimento), a consulta atingiu os objetivos traçados pela Comissão Nacional de Diaconia.

“[…] Houve um envolvimento muito grande das pessoas presentes e os apresentadores dos painéis foram muito felizes em suas abordagens, provocando reflexões significativas para as ações futuras para a igreja. As pessoas que partilharam o relato de experiências concretas, dentro dos temas dos Direitos Humanos, nos deram exemplos claros de como podemos atuar na defesa dos mesmos. A nossa intenção e de que tenhamos projetos de ações concretas para as dioceses e comunidades da IEAB, com vistas à formação dos membros da igreja no tema de Direitos Humanos e a partir dessa formação tenhamos ações concretas nas políticas publicas”.

“Como cristãos” – destacou – “devemos ser os defensores dos Direitos Humanos. Precisamos assumir o nosso papel de profetas denunciando todo e qualquer tipo de injustiça e violação dos direitos de todas as pessoas. A missão da igreja deve estar voltada para atender as necessidades do nosso próximo.”

Na visão de Dom Orlando S. Oliveira, bispo da Diocese Meridional,” […] em um mundo e um país cada vez mais violento, o encontro promovido pelo SADD nos parece ter atingido os seus objetivos de proporcionar o debate sobre os vários tipos de violência que enfrentamos. Ficou claro que o nosso compromisso pastoral e político de nos posicionarmos e lutarmos contra todo o tipo de discriminação e violência não é uma opção, mas uma exigência que o evangelho de Cristo faz”. Disse também desejar que “ao sairmos deste encontro, o nosso debate e os desafios se tornem numa ação concreta na vida de nossa igreja, em todo o Brasil”.

Já o bispo da Diocese Anglicana do Recife, Dom Sebastião Gameleira, afirmou que,” […] na consulta, tivemos uma ampla troca de informações e de reflexões muito pertinentes quanto ao tema. Além de algo importantíssimo que são as experiências que já existem na Igreja. Com alegria, sentimos que temos avançado na compreensão de que a diaconia social e política tem de estar no centro da missão evangelizadora e pastoral da Igreja. Dizer Direitos Humanos é referir-se a dignidade, solidariedade, justiça, cuidado com a vida, em vista da paz – que são os valores básicos do Reino de Deus”.

Segundo o Bispo, a tarefa primária “[…] é educar-nos na Igreja para perceber que a Fé Cristã exige de nós a ruptura com qualquer sistema de opressão e sentir a provocação irrecusável de levar a presença daqueles valores aonde quer que estejamos – na família, na profissão, na vida em sociedade. Tudo na Igreja, desde a espiritualidade, a leitura da Bíblia, a liturgia e o jeito de ser de comunidade, tem de estar atravessado por esta opção pelos Direitos Humanos. Na verdade, a Igreja é luta coletiva pela promoção da vida, inspirada pela mística do Reino de Deus e seguindo o exemplo de Jesus. É muito mais que sentimento e prática religiosa”.

Na avaliação de Dom Saulo Barros, bispo da Diocese da Amazônia, “[…] a consulta foi muito importante para nossa caminhada por muitas razões, mas principalmente por que mostrou o quanto a Igreja Anglicana avançou em suas ações concretas em favor dos Direitos Humanos e também na preparação e engajamento de parte de suas lideranças; também por mover (sacudir) a igreja para assumir de forma mais ampla o tema, esperando que os participantes sejam multiplicadores, conscientizando suas comunidades sobre a importância de se envolver concretamente na defesa dos direitos humanos.

Tenho pensado – afirmou – constantemente no trabalho em nível micro e não no atacado em nossas comunidades, círculos de estudo bíblico, turmas de confirmação, escola dominical, levando as pessoas a uma reflexão sobre o tema e a realização de ações concretas no seu próprio contexto.

Isso sem desmerecer as ações mais amplas, envolvendo parceiros ecumênicos e da sociedade civil. Porém, isso deve ser trabalhado de forma dialética com as questões locais. A região amazônica, infelizmente, nos coloca constantemente diante de situações em que e preciso reagir. Informou também que a Catedral Anglicana de Santa Maria, em Belém, há uns 2 anos realizou um trabalho com crianças e adolescentes sobre violência sexual. Apesar do receio inicial de alguns pais, os educadores responsáveis realizaram um trabalho muito bom que repercutiu positivamente na vida dos participantes”.

Na opinião do músico e membro do Conselho Executivo do Sínodo da IEAB, Xico Esvael, de São Paulo,” os objetivos desta Consulta foram atingidos principalmente por causa da presença representativa das lideranças da igreja e dos palestrantes qualificados que abordaram a temática com precisão e com didática adequada”. Disse esperar que estes “momentos sirvam para alavancar o trabalho pastoral da igreja no envolvimento de nossas comunidades numa perspectiva de mudanças em nossa sociedade”.

Já a Deã da Catedral de Santa Maria em Belém, Reverendíssima Carmen Etel e para a pedagoga Sra Carmem Regina Gomes da Equipe da Coordenação SADD, “[…] a Consulta possibilitou discussão de direitos já constituídos e que precisam ser efetivados na prática da comunidade e da vida. Inquietou-nos o silencio da igreja há tempos, diante de questões proféticas que envolvem a vida de crianças, de jovens, negros (as), mulheres, indígenas e homossexuais .

A Consulta nos impulsionou a construir programas de formação e de resgate dos direitos humanos a partir das realidades locais. E de assumirmos o compromisso de sermos comunidades terapêuticas. A realização de uma auto-avaliação de nossa pratica na igreja. A formação e capacitação de agentes de pastoral para acompanhar ouvir e orientar pessoas que sofrem violência e também os agressores. Formação pastoral para leigos e clérigos construírem comunidades terapêuticas”.

“Como cristão anglicano e como fundador do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)” – afirmou o jornalista Dermi Azevedo – que congrega cerca de 500 Ongs, no Brasil – “considera que a Consulta de São Paulo atingiu plenamente seus objetivos. Este resultado pode ser medido pela qualidade dos informações e proposta apresentadas. O fundamental, no meu ponto de vista, e que coloquemos em pratica a pedagogia de Jesus: – todas as suas palavras foram precedidas por gestos concretos de solidariedade e quebra de preconceitos. E interessante observarmos que Jesus não fez mega relatos sobre o significado de sua missão. Ele exerceu a missão, na pratica, e nos deu pistas para interpretarmos e para seguirmos as suas atitudes. Por outra parte, considero que a consulta abriu caminhos para vários conceitos que se incorporam a pratica da família anglicana: a consideração da violência como um problema de saúde publica; a visão integral da saúde, incluindo todas as formas de violência como a primeira das doenças; o crescente empoderamento das mulheres (tema no qual a IEAB atua como pioneira); e a promoção da vida em todas as suas dimensões.

Por ultimo,disse, entender que a consulta “contribui para apresentar os Direitos Humanos não como mera retórica (como fazem as grandes potencias do mundo), mas como um conjunto de princípios e de normas conquistados pelos homens e mulheres de todo o planeta”.

Para a psicóloga pernambucana Ilcélia Soares, Especialista em violência domestica, destaca “diante da intolerância religiosa em que vive a nossa sociedade, a IEAB da um passo à frente quando realiza uma Consulta Nacional sobre saúde e direitos humanos, em primeiro lugar porque ela convida clérigos, clérigas, leigos e leigas para dialogar sobre temáticas como HIV/AIDS, violência domestica contra a mulher, exploração sexual comercial das crianças e adolescentes. Em segundo, quando esses temas estão vinculados a uma realidade social cultural e política apontando projetos sociais que discutem essas temáticas no seu dia-a-dia. Em terceiro quando esse dialogo e pautado pelos direitos humanos fundamentais reafirmando a os valores liberdade,  diversidade, alteridade e a equidade.

Nesse contexto, e fundamental a compreensão e a reafirmação da laicidade do Estado,  isso não significa que a igreja deva ser omissa, pelo contrário; ela pode dialogar, promover ações afirmativas pautadas no respeito à diversidade, e participar das redes sociais de apoio e proteção as pessoas em situação de violência. Pode também engajar-se em movimentos sociais que garantam a defesa de direitos de homens, mulheres, crianças e adolescentes”.

Por sua vez Sr. Aroldo Carlos da Silva, militante social da Diocese Anglicana de Brasília, avaliou que “a Consulta fez um balanço das ações em diaconia implementadas pela IEAB. Tratou-se de um auto-exame das ações, dos projetos e dos gestos solidários”.  Destacou que evento ajudou na troca de informações e de indicadores, o que facilitara o aperfeiçoamento de todo o trabalho realizado.  Sugeriu que a igreja se faça presente junto as ONGs, movimentos sociais, conselhos e redes, levando sempre consigo a mensagem de Jesus Cristo. Propôs por ultimo a realização de campanhas nacionais e mundiais de promoção dos Direitos Humanos”.

Texto: Escritório da Secretaria Geral da IEAB & Dermi Azevedo, Jornalista, de São Paulo-SP